Objetivos

 A 4 de Abril de 2019 passam 200 anos do nascimento, no Paço Real de S. Cristóvão, no Rio de Janeiro, de D. Maria da Glória, primeira filha de Dona Leopoldina de Habsburgo Lorena e do Príncipe D. Pedro de Bragança. Esta princesa tornou-se rainha de Portugal em 1826, após a abdicação do seu pai, mas apenas chegou a Portugal em 1834, com o fim da guerra civil e vitória dos liberais chefiados por D. Pedro.
A singularidade do seu nascimento e primeiros anos passados no Brasil, as longas temporadas em Londres e Paris ainda adolescente, os intensos contactos com as restantes cortes europeias por razões políticas e, indissociavelmente, familiares, forjaram uma personalidade muito rica e consciente do seu lugar no mundo.
Durante o curto reinado, já que morreu de parto com apenas 34 anos, em 1853, viveu intensamente o turbilhão político que caracterizou a consolidação do regime constitucional. Nessas duas décadas foram dados passos significativos para a construção de uma nação contemporânea, iniciadas importantes reformas e criadas inúmeras instituições.
Consideramos que esta figura não tem tido o destaque merecido, suplantada pela intensidade dos eventos de que foi, contudo, actriz consciente e interessada.
O objetivo destas comemorações é assim conhecer melhor a mulher, a rainha, a sua época e o seu legado.
A forma escolhida pretende atingir a maior abrangência possível, acolhendo iniciativas variadas: exposições, conferências, concertos, publicações,…
descentralizadas no espaço: em todo o território brasileiro e português, mas também em qualquer parte do mundo onde seja considerado interessante e oportuno…
e no tempo: entre 4 de Abril de 2019 e Abril de 2010.